Filhos de Gandhy 

HISTÓRICO

Em 1949, com a queda na renda dos trabalhadores associados ao sindicato dos estivadores de Salvador, o bloco Comendo Coentro não pôde sair às ruas. Como os estivadores não queriam que o Comendo Coentro desfilasse em condições inferiores às do ano anterior, surgiu então a idéia de criar um outro “cordão”, ou bloco de Carnaval, concebido por Durval Marques da Silva, o Vavá Madeira, com o apoio dos demais estivadores. O nome do bloco foi sugerido por Vavá, inspirado no líder pacifista indiano Mohandas Gandhi (1869-1948), trocando-se a letra “i” por “y” para evitar possíveis problema pelo uso do nome. Batizou-se então o bloco como “Filhos de Gandhy”. Eles arrecadaram dinheiro e compraram lençóis para utilizar na confecção dos trajes e barris de mate e couro para construir os tambores utilizados no acompanhamento do cortejo.


CURIOSIDADES

Homenageados oficiais do Carnaval 2009, os Filhos de Gandhy são mais antigos que o trio elétrico (1950). O bloco participou de filmes que foram gravados na Bahia, como “O pagador de promessas” (1962) e “Dona flor e seus dois maridos” (1976). Também foi tema de um documentário exibido em Nova Délhi, na Índia. 

  

AÇÕES SOCIAIS

Oficina de percussão, aulas de informática e curso de guia de turístico mirim, voltados para crianças do bairro.

 

PRESIDENTE

Agnaldo Antonio Oliveira Ribeiro da Silva

 

ENDEREÇO

Rua Gregório de Matos, nº 53, Pelourinho.

 

Texto do Catálogo Ouro Negro-Carnaval 2010

 
  Site Map